sgo.to posts drafts

A Diferença Entre Genótipo E Fenótipo

A expectativa durante a sua vida é de que você aprenda, evolua e mostre progresso no seus desenvolvimento intelectual e moral.

Esse post é parte de uma serie de posts.

Uma etapa importante nesse processo é o entendiento da diferença entre genótipo e fenótipo: as coisas que não você pode e as coisas que você pode mudar.

Você não pode se limitar pelas coisas que você não pode mudar (por exemplo, seu genótipo). Não importa se você é japonês, americano, brasileiro, italiano, africado, branco, índio, negro, bonito, feio, filho do eike batista ou de um alcólatra, alto, baixo, gordo, magro, macaco ou ser humano. OK, se você for macaco talvez algumas dessas coisas não se apliquem. De resto, pronto, foi assim que você nasceu: bola pra frente.

Dessa forma, igualmente importante de saber distinguir as coisas que você não pode mudar (por exemplo, seus genes) é saber identificar as coisas que você pode mudar (e.g. sua atitude).

Power Distance Index

Assim que eu entrei no Google, eu percebia que tinha alguma coisa de estranho: eu me sentia bastante desajeitado ao conversar com as pessoas.

Eu tinha duas hipóteses: (1) a de que a galera do google estava num nível técnico muito mais alto do que o meu na UNICAMP ou (2) a minha habilidade de comunicação oral em inglês estava me puxando pra trás. Tanto (1) quanto (2) eram acionáveis (ufa, nao era do meu genotipo!). Se a hipótese (1) fosse certa, era só uma questão de tempo de eu ganhar experiência nas tecnologias/conceitos usados. A hipótese (2) era um pouco menos definida, porque era de natureza não técnica.

Eu resolvi trabalhar nas duas hipóteses. Enquanto eu ganhava experiência e ia me promovendo, eu comecei a estudar inglês de uma forma sistematizada. Por meses, eu gastava mais tempo estudando a língua inglesa mais do que eu gastava no meu trabalho como engenheiro. Fiz cursos em stanford. Fiz cursos de liderança e comunicação. Li boa parte da literatura disponível à respeito. Um dos conceitos mais úteis que eu aprendi nesse processo foi o da diferença de discuso entre as sociedades.

Existem estudos que analisam como as diferentes sociedades se comunicam. Por exemplo, os americanos comecam os seus argumentos pelo resultado/conclusao e vao ao longo do discurso explicando o porque. Os orientais (que acho que eh o meu estilo), querem que o seu ouvinte chegue na mesma conclusao ao mesmo tempo, e vao dando voltas em espiral ateh chegarem no ponto central juntos. Os semitas fazem bursts do comeco ao fim que vao incrementalmente adicionando informacao/detalhes no seus discursos.

Assim que eu li esses estudos, as coisas começaram a fazer mais sentido (eu me identifico com o estilo oriental e meus companheiros de trabalho são majoritariamente do estilo inglês). Mas mesmo depois de quase um ano estudando a língua, eu ainda não sentia que eu estava no meu nível natural de confiança em discussões técnicas, e eu desconfiava que era não-técnico o motivo.

Numa das vindas para o Brasil, no avião eu estava lendo um livro (Outliers, Malcolm Gladwell) e a ficha caiu completamente: fui introduzido ao conceito de PDI (power distance index) e tudo fez sentido para mim. O PDI é um índice que analisa as atitudades de uma sociedade com relação à hierarquia, especificamente medindo numericamente o quanto a sociedade respeita uma autoridade.

Dessa forma, nos paises com PDI baixo, a distância emocional entre patrões e subordinados é relativamente pequena e a expectativa dos subordinados com relação aos patrões é baixa, e a tomada de atitude é esperada pelo subordinado. Já nos paises com PDI alto, a dependência dos subordinados com os patrões é alta e a iniciativa é de cima para baixo.

Por que isso importa? Porque eu, brasileiro, venho de um pais com um dos índices mais altos de PDI (69) e estava trabalhando nos EUA, um dos paises com PDI mais baixos (40).

Nesse sentido, se levantar e falar que você discorda das coisas independente das diferencas de níveis nos EUA não é só encorajado mas é também esperado: se você não estiver fazendo, você não está trabalhando direito. Se alguma coisa estiver errada, avise, independente do seu nível ou do seu interlocutor.

Uma vez indentificado o problema, e entendendo de que não era genético (mas cultural) resolve-lo ficou muito mais fácil. Li mais sobre PDI e sobre as formas de discurso e hoje me sinto profundamente a vontade.

Ainda bem que PDI era parte do meu fenótipo e não do meu genotipo. Se você não gosta de onde você está, mexa-se: você não é uma árvore.